Mergulho na história

Sharm el-Sheikh, 10 de junho de 2011.
Aproveitando que estou no Mar Vermelho, quis explorar os melhores pontos de mergulho da região. De acordo com o  guia Lonely Planet e vários sites na internet que pesquisei, aqui no Mar Vermelho está o melhor ponto de mergulho em naufrágios do mundo! O navio cargueiro SS Thistlelgorm, que foi bombardeado em 1941 durante a Segunda Guerra Mundial. Ele foi descoberto em 1955 durante uma expedição de Jacques Cousteau no seu barco Calypso, que inclusive fez parte do filme “O Mundo do Silêncio”, gravado com uma das primeiras câmeras sub-aquáticas, ganhando a Palma de Ouro em Cannes em 1956. Eu assisti ao filme no albergue em Dahab, foi o que me motivou mais ainda a vir fazer este mergulho. Antes de vir, e durante o trajeto, num enorme iate projetado para mergulho que nos levou até o ponto do naufrágio, pesquisei mais sobre a história do navio, para entender melhor o contexto e aproveitar mais o mergulho.
O Thistlegorm fez parte da missão secreta chamada ‘Operação Cruzada’, que pretendia levar suplementos para os soldados ingleses que estavam no Egito e na Líbia durante a II Guerra Mundial. O navio cargueiro saiu da Escócia, em direção ao porto de Alexandria no Mediterrâneo. Como a parte leste do Mediterrâneo estava sendo controlada pelo exército inimigo(Itália e Alemanha), eles tiveram que contornar a África, passando pelo cabo da Boa Esperança e navegar pelo Mar Vermelho para alcançar o Canal de Suez e seguir para Alexandria.  Entretanto, a força aérea alemã mandou um esquadrão para controlar a navegação no Canal de Suez, e o Thistlegorm foi uma das vítimas desse ataque. Uma bomba na parte traseira do navio provocou uma explosão tão grande que quase divide o navio em duas partes, jogando duas locomotivas  de mais de 120 toneladas que estavam no navio a 30 metros de distância.
Um coroa do nosso grupo estava com uma câmera e eu peguei com ele as fotos do mergulho. O camarada mergulha desde 1978, o ano que eu nasci !... ele já trabalhou como instrutor na Tailândia, e já tem uns 4 mil mergulhos no currículo! Fiquei até sem jeito de dizer que só tinha 15,... um dia eu chego lá. 
O coordenador da equipe explicando o roteiro do mergulho

A trajetória do Thistlegorm até o dia que foi bombardeado
A japa foi minha parceira(por segurança, temos que mergulhar
sempre com um parceiro), e o coroa que me passou as fotos

Jacques Cousteau tupiniquim de Belém do Pará explorando o Golfo de Suez

A vida é assim,... tem dias que a gente tá comendo pão com mortadela 
o dia inteiro e dormindo na rua parecendo mendigo, 
...e outros que estamos num iatezão parecendo rico!...

O trajeto pelo Golfo de Suez – do outro lado é Hurgharda na costa do Egito 
O navio está a uma profundidade de 30 metros, sendo permitido o mergulho somente para mergulhadores habilitados(com no mínimo o curso avançado que fiz dias atrás) pela profundidade e por se tratar de um mergulho mais técnico, onde nadamos por passagens estreitas e lugares sem saída na parte superior.
 Como era um navio cargueiro que foi interceptado levando suprimentos para a guerra,  todo o conteúdo da carga eram equipamentos de guerra, que agora depois de 70 anos submersos já viraram parte do ambiente marinho, se tornando habitat de algas, corais e muitos peixes. A minha visita ao ‘museu de guerra sub-aquático’ foi feita em dois mergulhos, o primeiro exploramos a parte externa: a hélice ainda inteira, os tanques de água(que serviriam para os soldados cruzarem o deserto), dois tanques de guerra tombados, um vagão de locomotiva à lenha, alguns pneus...percorremos toda a área externa do navio, eu tentava imaginar nessa hora como ele era antes do naufrágio e quando foi descoberto em 1955. Naquele tempo ele estava bem mais conservado, pois com o tempo a corrosão destruiu boa parte de sua estrutura.
Tudo OK !  É só pular
Um dos tanques de guerra tombado para o lado
Na parte externa do navio
O navio só possuía uma grande hélice
A escada do convés ainda inteira

Parte externa
A locomotiva

Um dos tanques-reservatório de água
Engrenagens da corrente da âncora
Um peixe-crocodilo pensando que ia passar despercebido
A ansiedade estava para o segundo mergulho, onde exploramos o interior do navio. Foi muito emocionante percorrer os corredores estreitos e compartimentos internos. São três andares, nos dois andares inferiores vi mais de uma dezena de caminhões e jeeps ainda com várias, acho que mais de vinte motocicletas nas carrocerias, eram veículos de modelo bem antigo(claro, eram da década de 40) que ainda estavam inteiros, com rodas e pneus, e estacionados no compartimento de carga, vários pneus empilhados, foi muito bacana também ver várias botas de borracha dos soldados largadas pelo chão. No andar superior entramos na cabine de comando, em um dos camarotes e em um banheiro com a banheira de louça ainda intacta. Passamos por alguns locais e portas tão estreitos que só sobravam alguns centímetros acima e abaixo. Nessa hora realmente requer um controle total da nossa flutuabilidade.   Foi um mergulho que envolveu várias emoções juntas: a curiosidade de explorar um navio da II Guerra Mundial vendo todos aqueles equipamentos no local, ver todos os animais marinhos integrados naquele novo amiente, ter que usar haiblidade de mergulho(adoro qualquer atividade que exija mais habilidade) além do simples prazer de mergulhar que por si só já é maravilhoso.

Uma das motos na carroceria de um caminhão

Caminhão estacionado no compartimento de carga do segundo andar

Aí estamos cruzando do compartimento de carga do lado esquerdo para o lado direito
A banheira do capitão
O terceiro mergulho do dia foi no Parque Nacional Ras Mohamed , considerado também um ‘top site’ do Mar Vermelho. Lindo demais !!!! Arraias, moréias gigantes, peixes e corais super coloridos numa água muito límpida, com uma visibilidade de 25-30 metros. Passamos tamém por um outro naufrágio do navio Yolanda, este bem menor e bem desconfigurado. O que é melhor, é que quando estamos fazendo mergulhos sem fazer parte de um curso, temos mais liberdade durante o percurso, podemos parar para ver alguma coisa por mais tempo, é como um passeio sem um guia de excursão te apressando. De qualquer forma os mergulhos são sempre guiados por alguém que já conhece o local e que coordena a equipe.
No terceiro mergulho do dia,  Parque Nacional Ras Mohamed

Meu médico me disse que temos que ir no banheiro assim que  der vontade...independente da hora.
Destroços do navio Yolanda
A incrível transparência da água- Ras Mohamed
Voltando para o iate
De volta ao iate, tivemos um almoço muito bom, curtindo o visual do Mar Vermelho no Canal de Suez no caminho de volta a Sharm el-Sheikh. Ainda tivemos umas horas para passear na cidade, que não era novidade pra mim pois eu já tinha passado um dia inteiro rodando por aqui uns dias atrás  fazendo snorkel, curtindo a praia e a feirinha. Sharm, como é chamada por aqui, é a cidade maior e mais desenvolvida do Sinai.  Considerada a Cancun do Oriente Médio, atrai turistas ricos por toda sua infra-estrutura, resorts com praias particulares, cassinos, restaurantes e lojas requintadas. Sinceramente, não achei  lá essa coisa toda.
Por todos esses motivos,  os mergulhos fantásticos, a história do navio e a beleza de tudo que vi, hoje foi um dia es-pe-ta-cu-lar que nunca vou esquecer na vida
Um dos cassinos de Sharm elSheikh
Fazendo snorkel na praia de Sharm
Na’ama Bay
Os caras gente boa que conheci na rodoviária de 
Sharm elSheikh quando vim na primeira vez

8 comentários:

♡Dαni Delgado♡ disse...

Rogério, sou de Belém-Pará-Brasil que nem vc, só que ao contrário de vc ñ peguei minha mala e fui rodar o mundo msm sentindo muita vontade, quero muito conhecer uma Cidadezinha chamada Ubá em Minas Gerais e ainda ñ tive coragem.
Bem finalizando, espero que faça um Ótimo retorno para casa e quem sabe um dia nos conheçamos...
Muito Prazer... Bjoo ♥

Rogério Oliveira disse...

Dani, se voce tem vontade de rodar o mundo mas nao teve coragem de ir em Uba ...ta dificil....tem que perder esse medo, pegar uma mochila e partir.
Nunca deixe o medo ficar na frente dos seus sonhos!

Lilianne disse...

Leio, como sempre, é muito emocionante te acompanhar em mais uma aventura...mais um mundo...imagino o dia que quiseres pisar na lua...
Morrendo de saudade! Te amo!
Beijãaaao
Tua mana,
"Lhane"

♡Dαni Delgado♡ disse...

Ñ é medo Querido...
É falta de desapego, tenho dois Pimpolhos e sou Casada, ñ posso sair por aí mochilando pelo mundo SOZINHA... E maiiiis sou Mamãezada...rsrs

Muita Saude e Felicidades ♥

Bjoo ♥

Jorge Moura disse...

Muito show o blog, Rogério. Esse ano pretendo conhecer Egito, Israel, Jordânia, Arábia Sáudita e Emirados Árabes. Poderia passar algumas dicas?
Grato!!
Jorge

Jorge Moura disse...

Rogério, muito massa seu blog. Gostaria de algumas dicas sobre oriente médio. Poderia pegar informações contigo?
Abraço, Jorge Moura.

Rogério Oliveira disse...

Jorge, vamos conversando. Se quiser podemos nos falar por email: cdrogerioliveira@hotmail.com

Anônimo disse...

tenho tentado encontrar a lili e não conseguia acha-la entrei no blog e ela estava com vc na europa ki bom matando as saudades parabens por ter realizado seu sonho e ki bom vc ter dividido com agente bom retorno
val