Cena de novela

Cairo, 14 de junho de 2011.

Foi uma novela a história do meu visto para entrar nesta parte do país. Existem dois tipos de visto para quem entra no Egito. Um que é só uma permissão de 15 dias para o Sinai, e o visto propriamente dito que nos permite circular por todo o Egito. Quando saí de Israel pedi para me carimbarem num papel separado para não ter vestígio no meu passaporte que tinha entrado lá. Mas na entrada do Egito ganhei um carimbo de “Taba” (cidade no Egito na fronteira com Israel) que sujou meu passaporte. Quem cruza a fronteira por Taba, tem que pagar além dos 15 dólares(usd) do visto, mais 60 usd para um sujeito que fica lá na imigração que é de uma agência de turismo, pois só te dão o visto com uma empresa de turismo te dando respaldo. Uma grande safadeza! Acho que isso é para sacanear os turistas que vêm de Israel, pois o Egito não tem uma relação tão amigável com eles. Como tinha lido na net que o visto poderia ser conseguido também em Sharm el-Sheikh não quis pagar os 60 usd para eles e entrei só com a permissão do Sinai que é de graça.
Pois bem, entrei passei uns dias na praia, depois desci para Dahab e num dos dias que não teve mergulho no meu curso, fui resolver a “missão visto” em Sharm que é pertinho de Dahab. Uma hora e meia de busão, rachei um taxi e cheguei no aeroporto. A dica que um sujeito egipcio postou(recomedo : o fórum do Lonely Planet – tem informações muito boas e atualizadas) era que tinha que entrar pelo portão de desembarque e dar um jeito de comprar o visto. Porque o guichê onde se vende o tal visto é lá dentro, só quem tem acesso é quem chega de avião... Fui lá, entrei pelo desembarque, mas o cara me barrou(fudeu-se #1). Fiquei andando por lá, pedi para um outro guarda numa outra porta para entrar que me barrou de novo(fudeu-se #2) ele me apontou uma outra porta, tava cheio de guarda, escolhi o que tinha mais cara de patife(provavelmente eu teria que subornar!) e pedi pra ele...andei com ele pra cima e pra baixo no aeroporto até que entrei, passei por vários corredores onde passageiro nenhum tem acesso(e eu nem era passageiro!) até que cheguei no saguão do desembarque onde tinha o guichê, um cara gente boa me vendeu o visto pelo preço normal(15 usd) . Dei o trocado pro guarda patife e saí lá de dentro rindo à toa. Mas faltava ainda um detalhe: carimbar o visto, para validá-lo. Entrei por outra porta, e fui até o controle de passaporte, o cara quando viu o carimbo de Taba, na mesma hora disse que não podia carimbar, e eu teria que mostrar o tal documento de uma agência de turismo que garantisse minha entrada ou voltar a Taba para poder ter o carimbo(fudeu-se #3). Isso significava perder um dia inteiro de viagem e pagar os 60 usd pros patifes da fronteira. Falei que não tinha agência e estava viajando sozinho por conta própria, mas não adiantou. Dei meia volta chateado, e fui no balcão de informação do aeroporto tentar alguma coisa. O cara do balcão não sabia de nada, disse pra eu voltar de novo e pedir o carimbo pois eu podia sim ter o maldito carimbo. Voltei e o gordo dessa vez falou mais grosso, quase me expulsando de lá dizendo que eu tinha que voltar para Taba(fudeu-se #4). Todos os guardas não gostando da minha insistência me convidaram a me retirar do aeroporto(fudeu-se #5). Rodei tudo em Sharm, entrei em várias agências de turismo e nenhuma delas sabia do que se tratava o tal documento... Como não tive alternativa, relaxei e fui curtir a praia ....
No fim da tarde voltei no aeroporto para mais uma tentativa, na esperança de ser outro guarda na imigração no lugar do gordo. Fui no balcão de informação e disse pro outro gordo que também já tava de saco cheio de mim (eu queria mesmo isso, que eles carimbassem pra se livrar de mim!!) que não consegui o documento. E voltei no controle de passaporte depois de insistir muito pra entrar. Dessa vez era um outro cara, gente boa . Entreguei o passaporte, ele abriu , pegou o carimbo ,foi igual cena de novela....quando ele levantou o braço com o carimbo na mão eu tava nervoso já...na hora de dar a martelada ele parou...com o carimbo no ar e viu o maldito carimbo de Taba...e disse que não podia carimbar. Eu pedi por favor encarecidamente...era só um carimbinho! O cara muito gente boa disse que infelizmente  não podia fazer aquilo(fudeu-se #6).  Depois dessa desencanei, parei de pedir, fui embora.
Tinha o visto no meu passaporte,  mas o dito cujo não estava carimbado. Pedi opinião pra uns caras que fazem passeio para o Cairo alguns diziam que eu poderia ir só com aquele visto, outros diziam que aquilo não valia nada sem o carimbo. Ô dúvida cruel...será que eu perco um dia inteiro e pago os 60 usd, ou tento ir assim mesmo...fiquei uns 5 dias nesta dúvida.
Resolvi tentar, o que podia acontecer era me mandarem descer do ônibus no meio da estrada, e eu perder um tempão pra arrumar condução de volta....Já fui preparado para o pior, eu já imaginava a cena do policial me barrando, me tirando do ônibus e eu com cara de besta tentando arrumar carona na beira da pista. Então não comprei a passagem direto para o Cairo que era longe demais e se me mandassem descer do ônibus eu iria perder o dinheiro da passagem e o prejuízo seria maior.  Fui comprando as passagens para cidades no meio do caminho e trocando de ônibus...foi uma novela mesmo.
A primeira barreira na estrada para conferência dos passaportes não pediram nada ...passaram direto. Bom segui viagem para uma outra cidadezinha, e nada ...fui passando. Daí comprei pro Cairo e segui viagem...já estava umas 5-6 horas na estrada, próximo da travessia do canal de Suez (que é por um túnel sob a água)voltar dali seria um transtorno enorme...
Até que o ônibus pára numa fiscalização...(tinha um tanque de guerra na nossa direção...pois o Egito acabou de sair de uma grande guerra interna, então a fiscalização ainda está ‘meio’ pesada). E entra um guarda pedindo as identidades e dei meu passaporte. Eu já tinha ensaiado várias vezes mostrar o visto com um papelzinho cobrindo o local que deveria estar o carimbo, cobrindo também o carimbo de Taba...se o cara olhasse apressado nem perceberia. Falei que era do Brasil e mostrei a pontinha do visto, e o policial sorridente pegou o passaporte da minha mão(eu pensei: fudeu-se! #6)...Passei a última semana só pensando naquele exato momento.... Ele folheou, viu a minha foto, olhou minha cara...sorriu e me devolveu o passaporte. Yahooo!! Foi um friozinho gostoso na barriga...e entrei na parte africana do Egito.  
Moral da história: se o plano A (voltar a Taba) for um transtorno e prejuízo certo e o plano B (tentar passar, como fiz)pode levar a um transtorno bem maior e um prejuízo maior mas tem alguma chance de dar certo...tente o plano B.

Na hora que o ônibus parou...

3 comentários:

Manús... disse...

Ufa! Inclusive esta leitora intermitente sofreu com a sua angústia até as últimas letrinhas... No final, tudo deu certo, como novela. rs.
Adoro ler suas letras!

Sandra disse...

kkk que aventura... por essas e por outras que tirar o visto antes vale a pena.. Mas ai, não tem história para contar, né?!

Andando por aí.... disse...

engraçado foi que passei por algo muito parecido na Síria..foi a maior adrenalina !!!