Souvenir made in Hong Kong

Hong Kong - China, 16 de setembro de 2010.

Imagine você sendo abduzido e colocado em um outro planeta. É mais ou menos essa sensação que tive quando desembarquei em Hong Kong, desde o aeroporto que é gigantesco. Isso aqui é um mundo de gente...imagina o comércio véspera de natal, é assim o tempo todo. Nas estações de trem...aquele bando de chinezinhos andando rápido igual a um monte de formiguinhas...uma loucura.

Hong Kong e Macau são "Regiões Administrativas Especiais", diferente do restante da China, tratado muitas vezes como outro país...por exemplo fazem perguntas tipo: daqui você vai pra China? Pra entrar aqui não precisa de visto, na China sim. O passaporte é carimbado na entrada e na saída de HK , e Macau a mesma coisa...como se fossem outros dois países com leis independentes.

Comprei um passe de trem de uso ilimitado por três dias. O sistema de trens de HK é considerado o melhor do mundo, causando inveja em outros países. O transporte público: trens, bondes e ônibus, é tão eficiente que você não vê engarrafamento. Apesar de ser uma cidade imensa, é muito fácil circular aqui, basta ter o mapa da cidade, o mapa do metrô e o guia LP...rodei tudo sem perguntar nada.

É dificil enumerar as coisas diferentes e interessantes que se vê por aqui. Só de ficar num parque sentado vendo idosos de 80-90 anos fazendo Tai Chi Chuan enquanto se come uma fruta que nunca vi, por exemplo, já é um programa interessante.

Por todo lado tem lojas e feiras vendendo frutos do mar desidratados, como mexilhão, lula, polvo,peixes de diversos tipos, camarão, cavalo-marinho e outro monte de coisa que não consegui identificar. Andar nas feiras e mercados vendo tudo isso, sentindo cheiros, ouvindo sons, os chineses falando alto, músicas que parecem daqueles filmes antigos de Kung fu antigos... esse choque cultural que agente tem quando está aqui é impagável. Isso dá uma energia, um ânimo, que quando se percebe já se andou 10-12 horas e os pés estão doendo e com calo.
Uma loja de frutos do mar desidratados 

Tudo bem que um monte de prédios tem em toda cidade grande mas os arranha-céus de HK são um espetáculo, a noite ainda, é muito lindo aquilo tudo iluminado olhando de longe. Tem um pier do outro lado do canal, onde se tem uma vista privilegiada do centro da cidade, onde todo dia às 20h tem um show "dança das luzes" onde os prédios fazem um jogo de luzes e lasers no ritmo da música!.. imagina um show onde o cenário é uma cidade inteira!...uma música tipo de abertura de jogos de colégio, sabe? meio suspense, e os prédios alternam luzes mudando de cor...filmei tudo.
As luzes de Hong Kong...

Gosto de me embrenhar nas ruelas estreitas, entrar em restaurantes pequenos onde não tem turista, pra comer o que eles estão comendo...onde a única comunicação que se faz é: apontar o prato de alguém, sim ou não, e os números escritos num papel pra saber o valor... e no final uma saudação de obrigado.

Andando nas ruas se vê um monte de coisas tipo : gente muito feia, comidas irreconhecíveis, nos supermercados também(adoro passear em supermercados!) um monte de coisa que não se sabe o que é,...,prédios enormes sendo construídos com andaimes de bambu...em toda parte...eles não páram de construir, não é a toa que a China consome 50% do cimento do mundo !!!

Um batalhão de gente, mas tudo bem organizado que não vira cagada. Além do que, existem mecanismos que agilizam, tipo...nos ônibus não têm cobrador, ou você paga com o dinheiro exato em moedas  numa caixinha (e não recebe troco ) ou passa um cartão magnético que é recarregável, no metrô também...tem dezenas de máquinas pra vender o ticket, não tem fila, quando tem anda rapido. Tudo flui com dinamismo, apesar de ser uma cidade de 7 milhões de habitantes...Belém não tem nem 2 milhões e tem trânsito e ônibus lotado!

Outro dia fui no Big Buddha, o maior Buda de bronze sentado a céu aberto no mundo. Uma estátua imensa na ilha de Lantau...se chega lá com uns bondinhos que cruzam as montanhas...uns 30 minutos de bondinho! Aproveitei e dei um giro na ilha....fui em Tai o, uma vila de pescadores onde vendem uns bolinhos de peixe deliciosos.
Big Buddha na ilha de Lantau

Peguei o Peak tram, um trem antigo bem tradicional até o Victoria Peak, que é um prédio no alto da montanha onde se tem uma vista bem bonita da cidade...lá em cima conheci um grupo de brasileiros que estavam em HK participando de uma feira de jóias, vieram fazer contatos para negociar com empresas chinesas. Aqui como os custos de produção são bem menores, eles conseguem fabricar de tudo e vender a preço de banana para todos os países....eles vieram com um guia para intermediar os contatos...o Henrique, que mora em Beijing há 2 anos e fala mandarim...A indústria chinesa é a mais poderosa do mundo, faz tempo que empresários de todo o mundo estão atentos para isso e a tendência é aumentar,... o cara que acerta num produto e consegue vender fácil no Brasil ...tá feito. Saímos juntos dois dias, foi bacana, uma galera divertida, tinha uma bicha no meio (calma,ele gostava de ser chamado assim!) que a gente ria muito, tava com saudade de falar português.

Depois fui rodar pelo bairro de Soho, onde tem a maior escada rolante do mundo, e a noite dei uma volta no mercado aberto de Mong Kok, imagina o tamanho...tinha de tudo que se possa imaginar e mais um pouco, só que de todas as cores, formas e modelos...!

Ficava cantado(só pra mim) aquele trecho da música Babylon do Zeca Baleiro...Vida, é um souvenir made in Hong Kong...

As fotos estão no orkut.

Nenhum comentário: